reajuste_site-768x533

Governo nega reajuste em 2017 e sindicatos convocam #julhodeluta

O governo do Espírito Santo convocou os representantes dos servidores para uma reunião emergencial na manhã desta sexta-feira, 23 de junho, criando grande expectativa que seria finalmente anunciado o percentual de reajuste negado nos últimos 3 anos. Porém, o secretário Paulo Roberto foi enfático: “não vamos conceder novamente a revisão este ano”.

Sem apresentar dados concretos, o secretário apenas culpou o fechamento da Samarco e uma ligeira nova redução no valor dos royalties dos petróleos, apesar de assumir que o governo irá fechar o ano com superávit.

Diante a proposta de continuar o congelamento salarial dos servidores, os representantes sindicais reforçaram a falta de respeito do governador com a categoria e o constante infração às leis, visto que a concessão da revisão geral é direito assegurado na Constituição.

Sem garantir nenhuma margem de negociação, os sindicatos congregados no Fespes estão convocando toda a categoria do funcionalismo público estadual para o #julhodeluta com paralisações agendadas para os próximos dia 05, 14 e 21 de julho, em que serão realizadas assembleias e tomadas novas deliberações em conjunto.

Os representantes sindicais questionaram a falácia do discurso do governo, que não poderia conceder a revisão devido à Lei de Responsabilidade Fiscal, visto que está amparado em uma frágil determinação do Tribunal de Contas que tem entendimento contrário ao que determina a legislação e demais tribunais de conta do país ao incluir servidores inativos e de outros poderes inchando a folha do executivo. Também criticaram o governo Hartung que tem sido autoritário, visto que a maioria dos secretários e diretores não tem tido autonomia nenhuma de negociar sequer questões administrativas e burocráticas.

Os servidores também fizeram uma proposta ao governo, para que esse deixasse de gastar com propaganda em contrapartida os servidores aceitariam o não reajuste. Apenas nos últimos dois anos foram R$ 117 milhões utilizados para propaganda governamental. Sem saber o que falar, o secretário mudou de assunto.

Auxílio-alimentação

Para tentar amenizar os três anos sem revisão, o secretário sinalizou a possibilidade de enviar à Assembleia Legislativa uma lei para garantir o pagamento do auxílio-alimentação a todos os servidores. Porém, questionado sobre os valores que estão congelados desde 1994 à R$132 (30 horas) e R$ 176 (40 horas), Paulo Roberto foi irônico e disse que sequer sabia os valores e nem desde quando estavam congelados.

Data-base

Outro ponto de pauta que o governo continua sem conceder foi a data-base. Mostrando total incapacidade técnica, o secretário disse que, apesar de estarem há quase quatro anos no poder, não conseguiram ainda defini-la.

Greve Geral

Todas as negativas do governo Hartung mostra-se amparadas no projeto de retirada de direitos que vem sido encampadas pelo governo Temer e demais governadores, no intuito de aumentar os lucros de grandes conglomerados econômicos financiadores de campanhas. É preciso que todos os trabalhadores, sejam servidores e ou da iniciativa privada, estejam unidos contra essas propostas. Com isso, o Sindipúblicos confirma que estará participando da Greve Geral convocada para o próximo dia 30, realizando assembleias setoriais às 8h30 em frente aos seus locais de trabalho e às 10h em frente à Assembleia Legislativa para deliberarem quanto ao Calendário de lutas no mês de julho e ações unificadas contra as reformas da Previdência e Trabalhista.

#julhodeluta

05/07/17 – Escadaria da Assembleia Legislativa
14/07/17 – Ed. Fabio Ruschi (SEGER)
21/07/17 – Tribunal de Justiça

Com informações do FESPES